Ouvindo reclamações

Pode parecer muito frustrante alguém reclamar de sua comida, mas acredite; certamente é muito pior do que parece mesmo!

Acontece que se for feita uma pesquisa entre os chefs, daqueles que botam o coração no que fazem, muito provavelmente, a maioria iria responder que incomoda bastante. Afinal quem gosta de ouvir que aquele seu trabalho, desenvolvido com horas de esforço, dedicação, concentração e carinho, não passa de um monte de lixo?

Ouvindo uma reclamação

A maturidade profissional trás certa tranqüilidade, no que tange a avaliação da qualidade do seu serviço. E, por tanto, quanto maior a experiência menor deveria ser o impacto sobre o chef, para criticas positivas e negativas.

Assim, normalmente reagimos de forma agressiva a uma crítica direta a nosso trabalho, e sempre associamos os defeitos apresentados, de forma incontestável, a outras áreas de responsabilidade. Mas a verdade não pode ser torcida: se um cliente reclamou é porque algum aspecto não agradou, seja o preço, a temperatura, a quantidade, a variedade, a adequação do cardápio ao público, ou qualquer outra coisa que influencie na experiência sensorial de fazer uma refeição em um restaurante.

Sem cair no clichê de que o cliente tem sempre razão, é preciso escutar com respeito outras opiniões. Obviamente é preciso desenvolver um senso crítico com o seu próprio nível profissional para ter clareza para compreender se o problema está na cozinha, no serviço ou então no cliente.

E muitas vezes a causa fundamental do problema está lá no comensal. Por exemplo, o cliente não gosta de carne mal-passada, mas pede Rosbife; ou, pede a refeição para “agora com muita pressa”, e o pedido fica esfriando enormes minutos durante uma fútil conversa ao telefone.

Os casos são inúmeros e é muito importante que você mantenha a sua auto-estima intacta, sem deixar que o seu ego encubra erros.

Ser chef é assim mesmo: todos os dias você precisa ser perfeito, pois senão sua cozinha pode ser taxada de desleixada, despreparada ou outras coisas que não posso reproduzir num texto escrito.

Só uma última nota: siga as reclamações até o fim. Não se dê por satisfeito sem ter encontrado o verdadeiro motivo para a reclamação. Não é caça as bruxas! É ter absoluta certeza da fonte do problema, que pode ser um equipamento com defeito, um procedimento incompleto, um treinamento superficial, o importante é saber.

Para o caso da reclamação ter suas raízes firmes e consistente peça sinceras desculpas, faça as anotações e tome as ações para isso não se repetir. Os erros são como treinamentos, pois não se pode sair de um sem aprender uma boa lição. Para os outros casos… a vida é assim mesmo! E lembre-se bem de que foi você que escolheu a sua carreira, e reclamar não faz de você um chef melhor.

Tenha paciência!

Nota rápida:

Nutrigen 2010 Diferente do ano passado, quando se realizou um feira, o evento será caracterizado por palestras gratuitas, mas é preciso se inscrever pelo e-mail  nutrigen at agcom.com.br pois as vagas são limitadas. De qualquer forma vale a visita pois pode-se ver as fotos do ano passado, onde a UNIRIO participou com um estande, reunindo professores e alunos para servir os passantes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: