Automação

Juntando que “Automação” é uma palavra muito sonora para mim e, que eu havia falado como uma amiga sobre as minhas idéias de usar os tablets como cardápio, com uma notícia que ela mesma enviou como resposta a nossa conversa, só poderia mesmo culminar em um post. Nada como uma tecnologiazinha para me deixar interessado em alguma coisa!

menu moderno em Blumenau

A otimização de processos, utilizando recursos tecnológicos ou não, está presente em praticamente todos os setores de serviços e do comércio. Para restaurantes as vantagens certamente são bastante claras: aumento da qualidade do serviço, diminuição do tempo de espera em fila, aumento do controle sobre a saída dos produtos, redução drástica dos desperdícios, e a conseqüente diminuição dos custos de operação.

Dentre a longa lista de processos passíveis de intervenção tecnológica, alguns estão no topo da lista: Contabilidade, Controle de caixa, controle de estoque, fichas técnicas e automação de pedidos. Todos muito importantes, e inclusive não recomendo que sejam comprados pacotes isolados, com a falsa promessa de uma fácil integração posterior. O ideal é que todos os processos sejam pensados de forma sistêmica, garantindo então ganhos reais.

Porém de todos eles, o mais popular atualmente é o pedido ser “anotado” num PDA – Personal digital Assistant. Além dos objetivos mais óbvios como a diminuição do tempo médio de espera, a redução dos erros de preenchimento /interpretação e do incremento da velocidade no fechamento das contas, existem vantagens decorrentes do aumento do fluxo de informação.

Tablet

O garçom atende criteriosamente o cliente, anota o seu pedido no PDA, e via wireless envia simultaneamente para a cozinha e para o caixa. Do mesmo aparelhinho pode fazer alterações em pedidos anteriores, ou verificar o status do pedido e até fechar a conta. Isso sem precisar sair do salão! Se os demais processos estiverem informatizados, não seria nada difícil produzir informações como tempo de permanência na mesa, tempo médio de atendimento, percentual de ocupação, Curva ABC dos produtos, processos automáticos de requisição ao estoque e a produção, além, é claro, de todo tipo de relatório gerencial que se imagine importante.

wireless

Adicionalmente, se os clientes puderem ser identificados, seria fácil reconhecer padrões de consumo e produzir sugestões “mágicas” a cada um. Este tipo de relacionamento se chama Marketing one-to-one, pois proporciona um atendimento personalizado em massa, como na Internet.

Deixados os problemas técnicos para o pessoal de TI, é possível também imaginar facilmente o cliente, com o tablet na mão, clicando em um prato para saber como é feito, ou para descobrir alguma coisa a mais sobre sua história. Fazer consultas as calorias seria uma coisa simplesmente ridícula, depois de receber informações completas sobre o próprio consumo, e dados sobre a dieta executada, ou não. E, estendendo esse sistema ao website do restaurante, as reservas muito específicas também seriam viáveis, sem nenhum contato ou intervenção de funcionários do estabelecimento.

Olho para tudo isso e fico imaginando os dois mundos que coabitam nossa profissão: de um lado a tecnologia pressionando para um serviço superior, e compatível com o nível exigido em outras áreas; de outro, a brutalidade do serviço de cozinha, que parece forçar a maioria nós a se distanciar de questões administrativas, para que os resultados práticos sejam ótimos.

A nossa geração de chefs está mostrando habilidades nos dois lados, adaptando-se exatamente como fez cada geração anterior. A diferença talvez apenas seja a quantidade de inovações, com taxas de crescimento astronômicas, e com fortes tendências a piorar. Desejo sorte as gerações futuras de chefs… Seja lá como eles se parecerem no futuro!

chef pc feliz

Boas sistematizações!

One response to this post.

  1. Posted by Luciana Arraes on 20 de abril de 2011 at 11:08 am

    Isso ia ser genial! Poder saber exatamente os ingredientes de um prato e ter certeza de que o pedido foi feito corretamente…

    Mas não é uma idéia nova. Há uns 4 anos fui a um restaurante em londres (cujo nome infelizmente o alemão não me permite lembrar) onde todas as mesas tinham um ipaq (ipaq mesmo, o pocket pc da HP. É… talvez isso tenha sido há mais de 4 anos.) com o cardápio e o próprio cliente fazia o pedido. Com um click a gente podia ver o total da conta. Foi o ipaq de londres e os supermercados automatizados dos eua que me fizeram ter a certeza de que definitivamente eu sou uma caipira.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: