Comida de bar

Esse post deveria ser apenas parta comemorar o meu último ano de blog. Completei 12 meses de trabalho, nessa nova versão, e já são mais de 10 mil acessos! Agradeço imensamente a todos que tem lido, e comentado, os meus pequenos textos. Continuo trabalhando com vigor para manter atualizado, e com carinho para não ficar enfadonho. Espero estar agradando!

Parabéns !

Comemorações a parte, precisamos voltar a um assunto dramático: como é possível comer tão mal pelas ruas de uma grande, e bela, cidade como o Rio. Já falei sobre diversas formas de comer porcarias, mas dessa vez foi demais!

Fui convidado a comemorar o aniversário de uma amiga da minha esposa, num bar muito movimentado, localizado bem no centro de um pólo gastronômico. Apesar disso, a gastronomia certamente não é o forte daquele local.

É um fato que não sou lá muito fã de bares lotados. O barulho de multidão, a fumaça do cigarro e o convívio forçado com as mesas adjacentes já seriam motivos suficientes para eu passar bem longe. Mas sou teimoso! E, como se tratava de um aniversário, tentei mais uma vez.

Sou vegano, ou seja, vegetariano que não come, nem usa, nada de origem animal. Isso faz com que selecionar o que comer fora de casa já exija um pouco de esforço. Mas em muitos casos é possível combinar guarnições bem saborosas e acompanhar amigos que não compartilham da mesma filosofia.

Dessa vez posso dizer com certeza: foi ridículo! Estávamos famintos e começamos pelo básico. Pedimos batata frita! Mas foi preciso explicar muito bem ao “garçom” que a nossa batata era sem queijo (?) e sem bacon (?!). Pelo menos estava bem sequinha e crocante. Colocamos sal e tudo bem!

Depois ficamos aguardando outros convidados chegarem, e a fome persistia em incomodar. Resolvemos pedir o cardápio e depois de uma longa análise chegamos a conclusão óbvia de que não pensaram em pessoas como nós quando escreveram aquilo. Mas fizemos uma combinação muito esquisita: aipim frito sem a manteiga de garrafa, azeitonas sem caroço e arroz branco sem sabor. Ficou até engraçado, não fosse o preço: R$100,00 incluindo dois sucos, dois chá gelados e uma água mineral!

Mas como tive que ler todo o rol de itens servidos percebi que mesmo um onívoro teria dificuldades para comer alguma coisa. Frituras em abundância, sobreposição de sabores irrelevantes, e uma tremenda falta de imaginação formam uma fotografia fiel daquilo.

Será que os clientes não percebem que a bebida não é fabricada no bar, ou seja, em qualquer outro bar aquela mesma marca de cerveja servida na mesma temperatura terá absolutamente o mesmo sabor? Então por que freqüentar um bar onde os belisquetes não apresentam nada de interessante?

Não preciso mais falar sobre a atitude “dois pesos e duas medidas” que a vigilância sanitária utiliza na fiscalização, pois já deixei claro que acho injusto. Mas lá da mesa onde eu estava, já na rua, diga-se de passagem, podia ver os movimentos na cozinha. Preciso dizer que aquela distancia podia ver que todos estavam uniformizados, mas aconteciam “coisas” estranhas, para dizer o mínimo.

Por que pagamos tão caro por comida tão ruim e insalubre? Esse é um mistério que merecia até um estudo mais profundo. Procure um bom bar, onde o cardápio seja inteligente. Os sabores convidativos. E, onde a cozinha não precise ter vergonha de ser visitada!

Boa noitada!

8 responses to this post.

  1. Posted by Cristiane on 14 de setembro de 2011 at 11:18 am

    Caro André,
    Tive a felicidade de fazer um curso (finger food) com você e adorei.
    Sobre o seu comentário dos restaurantes que não se preocupam com clientes vegetarianos, sei muito bem o que é isto, pois fui casada com um vegetariano e passamos muitas dificuldades para comer bem ao sairmos na noite do Rio, até que desisti e adotei a prática de comer em casa antes de sair (comida feita por mim). Espero que um dia isto mude. Abraços. Cris

    Responder

  2. Posted by Luciana Hazin on 14 de setembro de 2011 at 12:04 pm

    Oi André! Parabéns pelos 10 mil acessos!!! Que o próximo ano seja ainda melhor!!
    Compartilho com vc da opinião de que muitos bares não possuem qualquer criatividade na hora de montar o cardápio, eles subestimam demais o cliente! Nós, então, da área gastronômica, somos ainda mais exigentes, e vc, vegano, imagino as dificuldades que passa. Mas acredito que haja um movimento, que embora seja lento e silencioso, esteja mudando a cabeça das pessoas, e dos proprietários de bares e restaurantes, no sentido da busca pelo “saudável”. Vamos ver… Beijos! Obrigada pelo seu comentário no meu blog!

    Responder

    • Oi Lu,
      Na verdade também vejo alguns lugares produzindo cardápios bem legais, mais é preciso manter a “pressão” pois o grande público anda (e come) em rebanho, sem pensar muito no que está fazendo… locais com bons cardápios estão ficando cada vez mais numerosos… precisamos continuar na luta!
      Um beijo e obrigado pela visita, e também pelo comentário.

      Responder

  3. Querido André:

    sempre que posso tô por aqui no seu blog a espiar!
    Hoje resolvi te deixar um comentário: que tristeza esse aniversário para você e sua esposa! Que horror de lugar!
    Mas isso sabemos que é o que mais tem. Depois que fiz gastronomia (turma da Romaine, Lander, lembrado? hahaha), vou com um olhar muito mais crítico a um restaurante. Vejo detalhes que muitos não percebem. As vezes nem comento nada porque fico achando que estou chata!
    Mas esse que você foi merecia ter colocado o nome dele aqui!
    Sei que vc não gosta disso (já li algo assim por aqui), mas merecia, não é mesmo?
    Até porque talvez, com a propaganda negativa, o pessoal preste mais atenção no que faz. Porque uma coisa é ir a um bar pé-sujo: você sabe que tá se arriscando. Mas não me parece que seja este que você foi.
    Merece ir para a lista dos “não vá – se for, não diga que não avisei!”.

    E a continha? Jesus, aonde vamos parar?

    Parabéns pelo aniversário do seu blog! 10.000 acessos não é prá qualquer um!

    Bjus,
    Sandra Bylaardt

    Responder

    • Obrigado Sandra!
      É muito triste comer mal, e caro. Na minha posição eu evito comentar na mesa para não parecer um “gastro-chato”, mas a verdade é que come-se muito mal por ai… espero que melhore!
      Um beijo e obrigado pela visita, e pelo comentário.

      Responder

  4. OI André,
    Parabéns por esse ano de blog e que muitos outros venham!! Com certeza você está agradando! Só a gente que escreve sabe o trabalho que dá…
    bjs

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: